4Lab Co

O Bett Brasil 2022 chega ao seu terceiro, confira

Com convidados ilustres, como o médico psiquiatra e escritor Augusto Cury, a escritora Janine Rodrigues, do Piraporiando e a Profª Virginia Garcia

Em seu terceiro dia, o Bett Brasil 2022 começou o dia com as palestras “Entre a tradição e a inovação: como tomar decisões e criar futuros”, com Luciana Allan, do Instituto Crescer e Tathyana Gouvêa, do Singularidades

No macrotema inclusão e diversidade, a palestra “Educação para a diversidade na prática”, moderada pela Janine Rodrigues, do Piraporiando, Professora Sara York, que também é ativista LBGTI+, pedagoga e pesquisadora, e o Professor Alexsandro Santos. 

Nele foram discutidos temas como racismo, transfobia, e preconceito. “Todos nós nascemos pelados, e decidimos nos transvestir daquilo que acreditamos ser. Isso torna todos travestis, uma vez que gênero e sexualidade são construções sociais”, debate a Profª York. O Professor Alexsandro Santos segue dizendo “Nós vivemos em um tempo na nossa sociedade com esses temas – racismo, homofobia, transfobia – interrupção da nossa conversa, pois existe um aspecto de intolerância, autoritarismo que está se movimentando na nossa sociedade.” Informa.   

Durante a tarde, as palestras “Competências para projeto de vida”, com Paulo Emílio de Castro Andrade, do Instituto Iungo, e Idelfranio Moreira, da SAS; “Metodologias ativas na prática”, com Lilian Bacich, da Tríade Educacional e Andrea Filatro, do Lettera. “Arquitetando e educação: o que aprendemos com a pandemia sobre inovação na aprendizagem?”, com Fernanda Furia, do Playground da Inovação e Regina Shudo, do Amaná Educacional; e “Aliados pelo respeito às diferenças”, com o escritor Maurício Moniz. 

Em seguida, “Saúde mental no futuro”, com Letícia Lyle, do Camino School, e Adriana Foz, NeuroConecte;  e “Atestado de óbito da escola professoral e certidão de nascimento da escola do protagonismo real”, com Marcos Raggazzi, Bernoulli Educação

Já a palestra “Educação 5.0”, com a Profª Virginia Garcia, da International School, Segundo a Profª, “No começo do século XXI, dos anos 2000 até os anos 2010, percebemos que o aluno é preparado somente para o mercado de trabalho […], O RH ao redor do mundo teve um papel muito importante ao dizer que ‘não adianta ser conteudista, quando na verdade as pessoas vão poder trafegar por profissões diferenciadas e variadas […}’ é muito mais importante o desenvolvimento de competências cognitivas e interpessoais e intrapessoais, do que você decorar as datas históricas as formulas de fisica, e etc”, Explica Virginia Garcia. “Em 2010 chegamos a educação 4.0, que primeiro aparece na Alemanha, dentro de uma feira de indústria […] e prega: continua sendo bastante utilitária, mas foca no uso da tecnologia. Já em 2016 surge a sociedade 5.0, no Japão, e tem seu foco no bem estar social […], e é daí que surge a educação 5.0, onde os alunos são capacitados a usar tecnologia, mas de maneira saudável. Como assim?, vocês devem estar se perguntando: tecnologia deve ser invisível, tecnologia é o meio e não o fim. E se nós queremos usar tecnologia, temos que nos perguntar para que fim vamos usá-la.  Usando-a principalmente como ferramenta de transformação e bem estar social. A grande diferença entre a 4.0 e a 5.0 é que o foco da 4.0 é no indivíduo […] ao passo que, na 5.0, é focado no bem estar social e na resolução de problemas.” informa.

Para conferir a cobertura da palestra “Educação 5.0” na íntegra, acesse

A “Abordagem inclusiva com uso da tecnologia” com Klaus Schlunzen Junior, da FCT/UNESP e Elisa Tomoe Moriya Schlunzen, da FCT/UNESP; a “Educação e transformação social”, com a professora Gina Vieira Ponte de Albuquerque e Aline Rabelo Marques, do Jovens Gênios; “Microlearning para potencializar a aprendizagem natural”, com Claudia Coelho, do Wakke, são apresentadas logo em seguida. 

Nas Palestras inspiradora, temos as “Estratégias de inovação e futuro para a educação”, com Silvio Meira, da Cesar School e Luciano Meira, da Joy Street, e “Projetos de vida, como vida e para vida – Uma educação para muito além do socioemocional” com o autor e diretor de conteúdo de Metodologia OPEE, Leo Fraiman.  

Por último, o Médico Psiquiatra e escritor Augusto Cury fechou a noite com a palestra inspiradora “Gestão da emoção para formação de professores brilhantes”.  

Bárbara Cardi Camarini

0 comentários