4Lab Co
Vírus combatem extraterrestres em caso de invasão? Descubra

Seriam nossos micróbios o maior escudo contra extraterrestres invasores?

Sua gripe pode ser mais eficiente do que uma bomba atômica na luta contra alienígenas hostis.

A ficção-científica já explorou o encontro com desconhecidos vindos do espaço sideral muitas vezes. Combates épicos com seres fortes e horripilantes. Até mesmo histórias fofinhas com ets amistosos que acabam se tornando parte da família humana em que foram ‘adotados’.

“A Guerra dos Mundos”, livro de H.G. Wells adaptado para o rádio por Orson Welles e depois para o cinema em 1953 e em 2005, sugere como seria o encontro desses ets com seres que os humanos combatem todos os dias (e nem sempre vencem): vírus e bactérias.

Seriam, então, esses seres microscópicos nossa principal defesa contra possíveis invasores extraterrestres? Bem, essa é uma pergunta difícil de se responder. Entender o sistema imunológico humano é o primeiro passo.

imunidade extraterrestre
James Pond/Unsplash

“O desenvolvimento humano começa ainda quando somos embriões fazendo-nos reconhecer o que é do próprio corpo e o que é um invasor. O grande segredo do sistema imunológico é esse – seja pela vacina, seja pela contato com a doença – vamos responder a esses estímulos e criar o que chamamos de imunidade, células de defesa e de memória”, explica Rafael Tavares Sales, 35, infectologista que trabalhou como um dos pesquisadores nos projetos de vacina contra a dengue e de profilaxia de pré-exposição ao HIV.

Imunidade com sujeira

Sabe quando dizem que é preciso deixar as crianças brincarem na lama e se sujarem sem frescura? Isso é verdade! “Crianças que brincam na terra irão criar respostas adaptativas. O sistema imunológico é adaptativo. Não nascemos prontos, precisamos de um aprendizado”, explica o infectologista.

Mas não é preciso imaginar um encontro intergaláctico. Podemos ter uma ideia do que um vírus desconhecido poderia provocar ao corpo humano com exemplos reais. E isso aconteceria com qualquer outra espécie que tenha o sistema imunológico parecido com o nosso.

vírus matam
Foad Manghouly/Unsplash

A agressividade desses pequenos seres foi capaz de dizimar tribos inteiras. Isso porque elas nunca haviam tido contato com a gripe, por exemplo. É comum observar casos assim em grupos que vivem isolados na Amazônia Brasileira. Mas o oposto também acontece e aconteceu, inclusive na história de colonização do Brasil, quando o homem branco e de grandes centros urbanos decidiu se aventurar nas selvas indígenas: “Antes da vinda dos europeus, os índios viviam no Brasil e estavam adaptados à dengue e à malária. A mortalidade entre eles, por esses casos, não era alta. Já para os europeus, que viviam bem com a gripe, essas doenças tropicais foram fatais”, lembra Sales.

Encontro do vírus com eles

E com o seria o encontro dos nossos vírus com terríveis aliens? “Hoje existe um conceito chamado microbioma. São bactérias que vivem em nossos corpos. Sendo assim, as bactérias que colonizariam o corpo desse alien seriam outras. Eles não teriam o mesmo estímulo que temos aqui e, portanto, não teriam as mesmas proteções. O sistema imunológico é uma reação ao ambiente e a tudo que nos cerca”.

No livro “A era do caos: o viajante do céu”, que narra a adaptação física de seres extraterrestres na sociedade humana, os microrganismos não foram um problema para os aliens de sua história, que com o passar do tempo adquiriram as fisionomias humanas por serem descendentes de uma espécie de hominídeos. Mas seu autor, Bruno Cappellano, admite que pensando nessa abordagem, os vírus desconhecidos também poderiam ser barreiras para eles, assim como foram aos europeus.

Elain Casap/Unsplash

Vale lembrar, que o ser humano não se tornou imune à todas as doenças de forma natural. Muitas epidemias foram cessadas com a criação de vacinas, o que remete a um “upgrade” do nosso sistema imunológico. Seriam esses supostos seres alienígenas capazes de produzir vacinas quase na mesma velocidade com que viajariam no espaço ao nosso encontro?

Para o cardiologista Júlio César Acosta Navarro, que estuda ufologia há 40 anos e administra um grupo de estudos sobre o tema, os aliens provavelmente encontrariam uma maneira para equilibrar suas defesas contra essas ameaças ou criariam uma maneira para solucionar e se proteger desses problemas. “Pelo avanço tecnológico desses seres eles conseguiriam se defender disso facilmente, pois sua ciência os faria chegar até nós e nós não conseguimos chegar até eles”.

Giacomo Vicenzo & Fred Di Giacomo

0 comentários