4Lab Co
startups

Conheça as Startups de Educação que estão em alta

Em tempos de revolução tecnológica, as Startups voltadas para educação – cerca de 12% do mercado – estão entre entre as mais relevantes do segmento, segundo Associação Brasileira de Startups. Educar e capacitar as pessoas é um desafio enorme, capaz de mudar a sociedade de maneira significativa. As EdTechs, como são chamadas, estão entre as que mais recebem investimentos, com perspectiva de grande crescimento nos próximos anos, até mesmo por parte dos governos, que deverão adotar soluções novas para a melhoria do sistema educacional.

A Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, por exemplo, também entrou na inovação e tem buscado inserir a tecnologia em suas atividades, sempre dando ênfase às ações curriculares comuns da rede. De acordo com o Departamento de Comunicação da pasta, o investimento tem o objetivo de incentivar professores e alunos na utilização de diversas ferramentas digitais, visando à melhoria do processo de ensino e aprendizagem.

Abaixo, listamos algumas startups de destaque no mercado: 

Happy Code

Fundada em junho de 2015, a Happy Code é uma escola de tecnologia e inovação que se destaca por aplicar o conceito STEM, que integra ciências, tecnologia, engenharia e matemática, em sua metodologia e uso exclusivo dos robôs Dash & Dot. Com uma variada grade curricular, a startup também oferece programas pioneiros como os cursos de youtuber e robótica com drones. Atualmente, a empresa impactou mais de 15 mil alunos e possui mais de cem unidades, divididas entre Brasil e Portugal. Conheça o site da empresa: http://www.happycode.com.br.

 Samba Tech 

Eleita pela Fast Company como uma das startups mais inovadoras da América Latina em 2014, a Samba Tech ajuda centenas de empresas a se comunicarem melhor com sua audiência por meio de vídeos online. Suas soluções de Educação a Distância, Comunicação Corporativa de Transmissão ao Vivo, e TV na Internet estão presentes desde o momento em que o vídeo sai da câmera até ele ser distribuído para qualquer aparelho conectado à internet.

Por meio da tecnologia de streaming, a empresa leva o conteúdo de seus clientes a milhares de pessoas, tornando mais democrático o acesso a uma mensagem de qualidade. Recentemente, a empresa fez uma pesquisa e ouviu a opinião de 2 mil pessoas, entre elas profissionais e amadores na produção de conteúdo de vídeo de todo o país.

Embora a maioria do conteúdo produzido em vídeo no Brasil seja relacionado a marketing/publicidade, mais precisamente 27% dos respondentes, vídeos com temas relacionados à educação crescem mais a cada dia e a tendência é que alcance o líder em pouco tempo. Hoje, eles já correspondem a 25% da amostra: https://sambatech.gupy.io.

Explica Mais

Trata-se de uma plataforma digital com vídeoaulas de todas as disciplinas para os ensinos fundamental e médio. Os conteúdos são tratados em vídeos de 3 a 5 minutos, e 10 a 12 minutos, em média. “Tentamos fazer aulas atrativas. A ideia possibilita o reforço do que é trabalhado em sala e também ensina o que o aluno ainda não tinha contato”, explica o professor e sócio-fundador da Explica Mais, Roberto Caliani. “No nosso método, as aulas também podem ser preparadas para grupos. O professor recebe o conteúdo que precisa ser tratado e aplica”, acrescenta. Todos as matérias têm exercícios e os alunos resolvem as questões. O grupo é formado por professores sócios-fundadores e a startup está no mercado há mais de três anos. “Os conteúdos são ligados ao cotidiano e fenômenos do dia a dia. Há, ainda, aulas gravadas em laboratórios”, relata Roberto. Sobre o movimento das startups de educação, ele comenta que o nicho cresceu de 5 anos para cá. “Falamos de uma ferramenta fundamental, não somente para complementar os estudos, mas que também é utilizada pelos mais velhos e para as pessoas que estudam sozinhas. É algo presente, forte, que agrega. Nosso modelo tradicional de educação está defasado e necessita desses recursos”, conclui. O site: www.explicamais.com.br.

 Timokids
Timokids é uma ferramenta psicossocial que contém historinhas e atividades com mensagens sobre bullying, preconceitos e assédios. A plataforma cria e fornece conteúdo seguro para famílias e professores em 197 países.  É uma forma de introduzir temas difíceis na vida dos pequenos de forma didática e com a linguagem apropriada.  O aplicativo também dispõe de uma plataforma pensada para a sala de aula: o Timokids School. Desenvolvida exclusivamente para os profissionais da educação, com ela os professores podem escolher o conteúdo que querem trabalhar com seus alunos.  Os temas devem ser abordados para o desenvolvimento social da criança dentro e fora da sala de aula.  É possível também separar os conteúdos por classe e monitorar o tempo que os alunos levam para ler as histórias. A escola contratante do serviço escolhe quantas atividades quer disponível, quais os temas e os idiomas, entre português, inglês, espanhol e italiano. A startup é comandada por Fabiany Lima, empreendedora e mãe de gêmeas: https://www.timokids.com.br/. 

Future Education

É a primeira aceleradora do Brasil dedicada ao empreendedorismo educacional, cujos objetivos são: apoiar o crescimento de 240 startups de educação por meio de programa próprio de aceleração; advogar e fomentar o interesse sobre inovação dirigida para a transformação da aprendizagem no trabalho, na educação e ao longo da vida. O ciclo de aceleração para o segundo semestre de 2018 terá a duração de 24 semanas. Qualquer pessoa pode se inscrever, tendo ou não uma ideia/startup. Para EdTechs em fase de crescimento/escala, o programa é personalizado de acordo com os desafios da startup e pode ter duração de 6 a 12 meses.

 Qrânio

O Qrânio tem 1,3 milhões de usuários no Brasil e possui diversas categorias educacionais, como ensino fundamental, Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), biologia, química, física, matemática, entre outras. “Trabalhamos com o ensino adaptativo. Desenvolvi um aplicativo para smartphones com vários conteúdos e jogos, que rendem prêmios reais, como Qi$”, relata Samir Iásbeck, CEO da Qrânio. Além disso, existe a “Pergunta do Dia”, que traz diariamente uma pergunta mais culta, com vários ensinamentos no seu próprio enunciado, e vale mais Qi$ que as outras.

“Acredito que esse movimento nasceu com o favorecimento do mercado, de ouvir o mercado e se inclinar a favor dele. A educação ainda é carente no Brasil e esse estilo de ensino tem demanda. Tecnologia e educação devem caminhar sempre juntas”, destaca.

 Plataformas da rede estadual de São Paulo

A Secretaria de Educação paulista também oferece alguns recursos tecnológicos:

SED – Secretaria Escolar Digital

A Secretaria Escolar Digital é uma plataforma online criada para centralizar, agilizar e facilitar as operações que envolvem a gestão diária da administração escolar, professores, alunos e seus responsáveis promovendo a inclusão digital.

Minha Escola (App Mobile)

O aplicativo é voltado aos alunos das escolas da rede estadual e seus responsáveis, para aumentar o engajamento dos alunos com a escola e aumentar a participação da família na vida escolar dos alunos. O aplicativo oferta: consulta ao boletim, visualização simplificada das notas, carteirinha do aluno, avaliação da alimentação escolar e notificações. 

Di@rio de Classe (App Mobile)

O aplicativo é voltado para professores da rede estadual. Seu objetivo é ser uma alternativa ao Diário de Classe manual para facilitar a rotina em sala de aula. Ele possui as mesmas funcionalidades da versão manual, como: visualização das turmas, lançamento e consulta de frequência, registro de aulas, lançamento e consulta das avaliações e fechamento.

Descola Trabalho (App Mobile)

O aplicativo Descola Trabalho, da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, é voltado às empresas de serviços interessadas em realizar obras de manutenção nas unidades escolares.

Currículo+

O Currículo+ é um aliado no andamento das aulas. A plataforma apresenta, desde o final de 2017, algumas novidades. Um novo visual, com maior facilidade para acesso aos mais de dois mil objetos digitais de aprendizagem e ferramentas, como o “Mentimeter” que permite a elaboração de apresentações com maior interatividade, além de viabilizar a criação e a leitura de enquetes, nuvens de palavras, etc. Tanto os objetos digitais de aprendizagem quanto as ferramentas disponíveis na plataforma são para uso em sala de aula.

Victor Rodrigues

0 comentários